Cegonha Medicina Reprodutiva

Funcionamento : Segunda a Sexta - 08h às 18h
  Contato : 31 2534-2710

mitos e verdades da endometriose

Endometriose: Mitos e verdades sobre a doença

Alguns fatos sobre a endometriose, doença que atinge quase 7 milhões de mulheres brasileiras em idade reprodutiva

Praticamente todas as mulheres já ouviram falar na endometriose, doença que acomete aproximadamente 176 milhões de mulheres em todo o mundo. Mas será que sabem o que é esta doença?

A endometriose é comum em mulheres em idade fértil e acontece quando as células endometriais (tecido responsável pela menstruação) se espalham pelo aparelho reprodutor, intestino ou bexiga, causando uma dor intensa e em praticamente 50% dos casos, a infertilidade.

Por falta de informação ou simplesmente desconhecimento, existem alguns mitos relacionados aos sinais da endometriose e neste artigo esclarecemos alguns deles e também fatos sobre a doença.

Conheça agora 4 Mitos e verdades sobre a Endometriose:

1- Dor severa no período menstrual é normal. Mito!

Essa afirmação não é verdadeira, pois a dor profunda durante a menstruação não é normal.

Na verdade, se uma dor interfere na vida cotidiana, ela não é normal e no caso da endometriose, a dor severa, ou seja, cólica muito forte durante a menstruação, é inclusive um sinal de alerta.

2- Endometriose não é sinônimo de Infertilidade. Verdade!

Muitas mulheres jovens acreditam que pelo fato de ter endometriose se tornarão invariavelmente inférteis. Isso não é verdade. A maioria das mulheres com endometriose continuam tendo filhos e podem sim, realizar o sonho da maternidade.

Infelizmente, não existem estatísticas confiáveis que indiquem o percentual de mulheres com endometriose que não têm problemas para ter filhos, que têm dificuldades, mas acabam tendo sucesso ou que nunca tiveram sucesso. Portanto, é impossível dar às mulheres uma indicação confiável de suas chances de terem problemas de fertilidade. No entanto, acredita-se que a probabilidade da mulher ter problemas de fertilidade aumenta com a gravidade da doença e, como em mulheres sem endometriose, com a idade.

Acredita-se ainda que 60 a 70% das mulheres com endometriose sejam férteis e além disso, cerca de metade das mulheres que têm dificuldades em engravidar acabam concebendo com ou sem tratamento de reprodução assistida.

3- A gravidez cura a endometriose. Mito!

Esse é um mito que aos poucos vem desaparecendo, mas ainda é considerado como uma verdade para muitas mulheres.

A gravidez não cura a endometriose, na realidade, assim como os tratamentos hormonais, ela pode suprimir os sintomas da doença por um tempo mas não curá-la. Portanto, após o nascimento do bebê, normalmente os sintomas retornam. Algumas mulheres podem ter os sintomas ainda atrasados pela amamentação, mas isso só acontece se a amamentação for intensa e frequente a pouco de evitar o ciclo menstrual.

A endometriose pode ser mascarada pelo uso prolongado de anticoncepcionais. Verdade!
Os anticoncepcionais podem sim mascarar a endometriose, quando usados por tempo prolongado. Afinal, anticoncepcionais muitas vezes são indicados como tratamento e controle dos sintomas.

4- A endometriose não tem tratamento. Mito!

A endometriose não pode ser curada, mas seus sintomas podem ser controlados com o tratamento clínico com uso de medicamentos ou cirúrgico.

O tratamento hormonal é realizado para regular os níveis de estrógeno e progesterona, reduzir a espessura do endométrio e, assim, diminuir ou eliminar temporariamente as crises de dor.

No tratamento cirúrgico é realizada a remoção de lesões profundas.

A indicação do tratamento mais adequado para cada mulher é feita pelo médico especialista que avaliará cada caso individualmente.

Fontes: endometriosis.org e medium.com

A equipe do Cegonha Medicina Reprodutiva, Instituto de Saúde da Mulher (ISM) e do Sigma Ultrassom possuem os melhores profissionais para diagnosticar e tratar a endometriose.

Agende sua consulta. Cuide de você.

Leia também:
Você sabe como é possível identificar a Endometriose?
Endometriose? Que doença é esta?
Como a endometriose pode afetar a sua fertilidade?

Compartilhe: