Cegonha Medicina Reprodutiva

Funcionamento : Segunda a Sexta - 08h às 18h
  Contato : 31 2534-2710

Blog do Cegonha: Notícias

maternidade após cancer de colo do utero

A maternidade após o tratamento do câncer de colo do útero é uma realidade, entenda como

Mulheres acometidas pelo Câncer de colo do útero podem ser mães APÓS o tratamento. Você sabe como isso é possível?

Primeiramente vamos entender o que é o câncer de colo do útero e como pode ser diagnosticado.

O câncer de colo do útero (região mais inferior do útero que se comunica com a vagina), também conhecido como câncer cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano – HPV (chamados de tipos oncogênicos).

A infecção genital causada pelo vírus HPV é muito frequente e não causa doença na maioria das vezes. Entretanto, em alguns casos, podem ocorrer alterações celulares que evoluem para o câncer.

Essas alterações são descobertas com facilidade durante o exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou ou Papanicolau) e na grande maioria dos casos, são curáveis. Por isso, é extremamente importante a realização periódica do exame preventivo ou simplesmente, Papanicolau.

Além do exame, alguns sinais importantes devem ser investigados e podem ajudar no diagnóstico precoce do câncer de colo do útero. Confira a seguir, quais são eles:

  • dor pélvica
  • perda de peso acelerada
  • sangramento e corrimento vaginal alterado sem causa aparente;
  • sensação de pressão no fundo do abdômen.

O câncer do colo do útero é uma doença de desenvolvimento lento, que pode não apresentar sintomas em fase inicial. Nos casos mais avançados, pode evoluir para sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais.

Agora que já sabemos um pouco sobre o câncer, seus sinais e sintomas e sua forma principal de prevenção, vamos entender como ele pode estar relacionado com a fertilidade feminina.

Como o câncer de colo do útero pode afetar a capacidade de reprodução?

A fertilidade feminina pode ser comprometida, mas isso não acontece em 100% dos casos.
Alguns fatores determinantes para a fertilidade são:

> tipo de tratamento realizado: quimioterapia, radioterapia e outros procedimentos cirúrgicos podem impedir ou reduzir a capacidade reprodutiva da mulher;
> a idade: quanto mais jovem, maior a chance de preservação da fertilidade.

Mas então, como a mulher com câncer de colo do útero pode ter um filho?

Mulheres submetidas a tratamento do câncer, com uso de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia possuem algumas alternativas para a concepção:

A Criopreservação é uma realidade e pode ser a melhor solução nesses casos.

Congelamento de óvulos ou do tecido ovariano

O congelamento dos óvulos ou tecido ovariano deve ser realizado antes da quimioterapia. Após o tratamento quimioterápico estas células têm uma grande chance de já terem sido irremediavelmente danificadas.

No caso do congelamento de óvulos, quando houver a necessidade eles podem ser descongelados e fecundados por meio de um procedimento de reprodução assistida – a FIV, e em seguida os embriões formados serão transferidos para o útero. Em mulheres que tiveram o útero removido devido ao tratamento, os embriões poderão ser transferidos para um útero de substituição, também conhecido como “barriga de aluguel”.

No congelamento do tecido ovariano, quando a mulher estiver apta e houver o desejo de ter um filho, o tecido poderá ser descongelado e os fragmentos ovarianos serão reimplantados em tecido subcutâneo. O procedimento envolve as seguintes etapas: estimulação ovariana para que ocorra o crescimento dos folículos; coleta dos óvulos que serão fecundados in vitro para formação dos embriões; transferência.

Com isso, concluímos que é possível que uma mulher com câncer de colo do útero, após o tratamento, pode sim realizar o seu sonho de ter um filho.

Vale lembrar que o sucesso dos tratamentos de preservação dependem de diversos fatores determinantes, sendo os principais: a realização de um planejamento adequado para a preservação da fertilidade e o apoio de uma equipe médica especializada.

E como o Cegonha pode ajudar na concretização do sonho da maternidade?

O Cegonha Medicina Reprodutiva é pioneiro no Brasil nas técnicas de congelamento.

As primeiras crianças concebidas após descongelamento de embriões nasceram em 1996, já tendo, portanto, mais de 20 anos de idade e desenvolvimento completamente normal.

No Cegonha já foram realizados centenas de procedimentos de criopreservação de embriões, óvulos, tecido ovariano e espermatozóides.


Estes artigos também podem te interessar:
Oncofertilidade: o que é e como ela pode ajudar na preservação da fertilidade?
O bem sucedido crescimento de óvulos em paciente com câncer
Embriologista do Cegonha esclarece todas as dúvidas sobre Preservação da Fertilidade

Leia mais
Tratamento câncer de próstata e infertilidade

A infertilidade devido ao tratamento do Câncer de Próstata

Apesar dos melhores esforços dos cirurgiões e oncologistas, é quase impossível para um homem manter sua capacidade de gerar filhos através de relações sexuais após o tratamento. Durante a prostatectomia, a próstata e as vesículas seminais são removidas. As vesículas seminais são duas pequenas estruturas que ficam na base da bexiga. Juntamente com a próstata, elas produzem o fluido que transporta os espermatozóides pela uretra e pelo pênis durante a ejaculação. A interrupção na produção do líquido seminal que acontece após a cirurgia torna a ejaculação impossível, portanto os espermatozóides não têm como sair fisicamente dos testículos para fertilizar o óvulo da mulher.

Leia mais
Infertilidade e cancer de prostata

Infertilidade masculina relacionada a um maior risco de câncer de próstata

Homens que, no passado, fizeram tratamento de fertilidade para terem filhos têm um risco maior de desenvolver câncer de próstata, segundo um estudo sueco.

Os pesquisadores descobriram que homens com infertilidade tinham mais chances de serem diagnosticados com o câncer de próstata nos anos após o tratamento de fertilidade, e eram mais propensos a desenvolver a doença em uma idade jovem, quando comparados aos pais que tiveram filhos naturalmente.

Leia mais
Dieta da Fertilidade

Mas afinal o que é a Dieta da Fertilidade que tantos falam?

Saiba como ela surgiu e como ela pode até mesmo ajudar na perda de peso

A dieta da fertilidade não é uma novidade, ela já existe a muitos anos e foi baseada em um estudo iniciado em 1991 e realizado com aproximadamente 18.000 mulheres, por 8 anos. Anos depois, dois co-autores do estudo reuniram os resultados e descobertas e os transformaram em um livro chamado The Fertility Diet: Groundbreaking Research Reveals Natural Ways to Boost Ovulation and Improve Your Chances of Getting Pregnant – publicado em 2007.

Leia mais
homens de 50 e a fertilidade

Homens na casa dos 50 têm menos chances de sucesso no tratamento de fertilidade

As chances de sucesso com o tratamento de fertilidade usando FIV ou ICSI diminui se o homem tiver mais de 51 anos, de acordo com um novo estudo.

Relatório do Encontro Anual 2019 da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia em Viena.

A análise, de aproximadamente 5000 ciclos de FIV / ICSI, sugeriu que este era o caso, independentemente da idade da mulher.

Leia mais
STL e planos de saude sobre FIV

Você sabia que os planos de saúde não são obrigados a custear a inseminação artificial?

Segundo decisão do STJ, o plano de saúde não é obrigado a cobrir a fertilização in vitro, uma das técnicas de inseminação artificial.

Em abril, por decisão unânime, a Terceira Turma do STJ acolheu o recurso de um plano de saúde que questionava a obrigatoriedade de cobertura do procedimento de inseminação artificial, por meio da técnica de fertilização in vitro, solicitada por uma cliente.

Leia mais
post-dst-fertilidade

O que as DSTs têm a ver com a sua fertilidade?

As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) são causadas por diversos agentes e transmitidas, principalmente, por contato sexual sem proteção – por uma pessoa já infectada.

Geralmente, se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas.

As DSTs possuem sintomas e consequências variáveis e os agentes causadores são diversos.

O que muitas pessoas não sabem é que as DSTs podem afetar a capacidade de ter filhos, particularmente nas mulheres. Se não tratada, mesmo uma DST assintomática pode eventualmente levar a um episódio de doença inflamatória pélvica (DIP), que é uma das principais causas de infertilidade evitável.

Leia mais